DEV Community 👩‍💻👨‍💻

Eduardo Weiland
Eduardo Weiland

Posted on • Originally published at eduardoweiland.info on

Adicionando eslint-disable nos arquivos com erros

Recentemente eu precisei atualizar um projeto em Ember que estava na versão 3.6 (bem desatualizado) para a versão 3.24 (atual LTS). Para quem conhece o Ember, sabe que muita coisa mudou entre essas versões (Glimmer, classes nativas etc.). E, com as alterações, o Ember também atualizou o plugin para o ESLint, incluindo novas regras para identificar código antigo e reforçar as novas boas práticas.

Mas, mesmo com tantas alterações, quase todo o código antigo ainda segue funcionando (exceto onde APIs privadas eram utilizadas 🤷), graças ao Semantic Versioning. Ele não precisa ser atualizado para a nova sintaxe por enquanto, isso só será necessário ao atualizar para o Ember 4.0, quando ele for lançado.

Só que agora o ESLint está acusando erros em quase todos os arquivos 😟!

O Ember fornece alguns codemods para ajudar a atualizar o código para a nova sintaxe. Mas o problema é que nem tudo é atualizado. Algumas alterações precisam ser feitas manualmente, o que não é uma solução muito viável quando existem 259 erros para serem corrigidos manualmente, mesmo depois de rodar o eslint --fix e os codemods 😱.

A solução: adicionar comentários /* eslint-disable rule-name */ em todos os arquivos que estão com erros, especificando apenas as regras que estão sendo violadas naquele arquivo. Dessa forma, os arquivos antigos não irão acusar nenhum erro, mas todo código novo deverá passar no lint com as regras novas 👌.

Mas fazer isso manualmente ainda seria muito trabalhoso. Deve existir uma forma de automatizar isso 🤔...

Em primeiro lugar, eu precisava de um output do ESLint que fosse fácil de parsear em outras ferramentas. O formato padrão é bom para ser lido por humanos, mas não por máquias. Felizmente, o ESLint suporta vários formatos diferentes. Eu optei por utilizar o formato compact, porque reporta cada erro em uma única linha, em um formato bem definido, de onde é fácil extrair as informações necessárias (caminho do arquivo e nome da regra).

Um exemplo de erro reportado no formato compact:

/home/eduardo/my-project/app/instance-initializers/global-loading-route.js: line 8, col 24, Error - Don't access `router:main` as it is a private API. Instead use the public 'router' service. (ember/no-private-routing-service)
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

É fácil de identificar que a linha começa com o caminho do arquivo, seguido por dois-pontos, números da linha e da coluna, nível e mensagem de erro, terminando com o nome da regra entre parênteses. Traduzindo isso para um sed:

$ eslint -f compact . | sed -nr 's/^([^:]+).*\((.+)\)$/\1\t\2/p'
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

O resultado disso é uma lista mais "limpa", apenas com o caminho do arquivo e o nome da regra que falhou, separados por um tab. Como o mesmo erro pode ser reportado mais de uma vez no mesmo arquivo, é importante adicionar a dupla sort | uniq:

$ eslint -f compact . | sed -nr 's/^([^:]+).*\((.+)\)$/\1\t\2/p' | sort | uniq
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Só o que falta fazer agora é adicionar os comentários /* eslint-disable */ em todos os arquivos. Eu poderia tentar agrupar todas as regras e colocar um único comentário no começo do arquivo, porém 1) o comentário poderia ultrapassar o limite de caracteres da linha e causar novos erros; 2) o ESLint permite vários comentários separados, não é necessário agrupar; e 3) é mais fácil adicionar um comentário por regra, a partir do formato de saída compact.

Para fazer isso, eu direcionei a saída do comando acima para um loop com while read e um sed para adicionar o comentário no começo do arquivo. O comando ficou assim:

$ eslint -f compact . | sed -nr 's/^([^:]+).*\((.+)\)$/\1\t\2/p' \
  | sort | uniq | while IFS=$'\t' read file rule ; do \
  sed -i "1s;^;/* eslint-disable $rule */\n;" "$file" ; done
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Nesse comando, o IFS=$'\t' serve para separar os campos no read apenas com o tab e não com espaços, então, mesmo se existir algum espaço no caminho do arquivo, ele será lido corretamente. O read file rule vai ler uma linha da entrada padrão (que é a saída do uniq), e colocar o nome do arquivo na variável $file e o nome da regra na variável $rule. Essas variáveis são, então, utilizadas no sed, que edita o arquivo inserindo uma nova linha com o comentário /* eslint-disable $rule */.

O resultado depois disso: zero falhas! 😎

Top comments (0)

Take a look at this:

Settings

Go to your customization settings to nudge your home feed to show content more relevant to your developer experience level. 🛠